25.10.15

Não



Não 

Nenhum poder
há-de calar
o murmúrio das águas
das nascentes
o cântico dos pássaros
voantes 
o uivar dos lobos 
carecentes
e os sons da natureza
delirantes.

Nenhum poder
há-de impedir
da maresia, o cheiro    
penetrante
o brilho do sol
incandescente
a aragem dos ventos
do levante
e as gotas da chuva
na torrente.

Nenhum poder
há-de matar
um sonho de criança
a pulular
o desejo nos jovens
de aprender
o direito no homem
de pensar
da suprema liberdade
o que escolher.


(pm)

7.10.15

Nuvens



Nuvens

Capacetes de chumbo
cobrem os céus
de águas mil.
São véus
que escondem utopias
folgares, alegrias
e nos roubam o calor
do Sol de Abril.

As águas límpidas
turvaram e prenharam
os rios da incerteza.
São lágrimas
que regam prostração
dor, humilhação
sulcando os rostos
da fome e da pobreza.

Botas cardadas
marcam o compasso
na terra dos cravos.
As agras de pão
são notas de contos
mercados, aprontos
de campos fecundos
p´ra novos escravos.

pm
Out2015

24.12.14

Natal 2014



Natal

Cantam os coros
Notas tão belas
Tocam as orquestras
Brilham as estrelas
Deuses e profetas
Nos hinos dos cantores
Estoiram alegrias
Prendas e louvores.

E num recanto esconso
Duma rua estreita
Na noite profunda
Escura e medonha
Há um homem que espreita
Uma nesga de esperança
Há um homem que sofre
De fome e vergonha.

Porquê, o Natal?

(pm)

27.11.14

Cante Alentejano

            


Cante Alentejano foi hoje classificado pela UNESCO como Património Cultural Imaterial da Humanidade. Deixo aqui a minha homenagem. 

23.10.14

António Portugal


António Portugal 
23OUT1931/26JUN1994

Homenagem a António Portugal, um enorme guitarrista de Coimbra, activista político fundador da democracia e oposicionista do Estado Novo, no aniversário do seu nascimento.